Dois meses depois de começar a trabalhar no asilo ganhei uma revista com um conteúdo bem interessante envolvendo o serviço social. Além dele, também uma cartela que chamou mais ainda minha atenção. É uma folha que na parte superior aparece um pequeno texto e na inferior tem quatro adesivos quadrados com um dizer e um número de telefone.

A primeira frase da folha já chama atenção: “Toda terceira mulher é afetada pela violência”. Só de pensar nesse número já dá um embrulho no estômago, mas o pior é pensar que muitas nem entram em contato com um dispositivo de suporte ou polícia. Sob o slogan “Você não está sozinha”, o Bundesamt für Familie und zivilgesellschaftliche Aufgaben (que é o Departamento Federal da Família e dos Deveres Cívicos da Alemanha) criou essa campanha para repassar um ideal de coragem para essas tantas mulheres que preferem ficar no silêncio.

Onde eu acho ajuda? Juntos acharemos respostas. Número de telefone contra violência contra a mulher: 08000 116 016 De confiança - Gratuito - A todo momento
Onde eu acho ajuda? Juntos acharemos respostas. Número de telefone contra violência contra a mulher: 08000 116 016
De confiança – Gratuito – A todo momento

O ideal do adesivo é incentivar as mulheres afetadas pela violência a ligar com confiança para a linha de apoio. Os adesivos (para espelhos e portas de banheiros femininos, carros, janelas, postes, pontos de ônibus) servem para comunicar de forma rápida e diretamente que terão pessoas para te ajudar, não importa como tudo tenha acontecido. Há ajuda e aconselhamento para as mulheres que sofrem abuso ou estão ameaçadas, e uma chamada gratuita no tal número de telefone pode ser um primeiro passo para sair da violência.

O banheiro feminino é apenas um exemplo – de muitos – de um local para as mulheres darem uma “pausa” em caso de se sentirem perseguidas. Em lugares como este é bom estar um adesivo pois com ele a mulher tem logo em mãos as informações de onde pedir ajuda, além de ser um lugar discreto para ficar sozinha e agir.

Achei muito interessante a proposta, é bacana ver que aqui eles se mobilizam e repassam o método de ajuda até para os que estão trabalhando em algo tão simples como o BFD. Vivi 18 anos no Brasil, mas não lembro de nenhum momento ter recebido algo do gênero por meio do correio. Também não vi campanhas no rádio, televisão, ou até pessoas comentando sobre “violência” com a frequencia que o assunto merece.

Parece aquela antiga história de que “se a mulher apanha é porque fez por merecer”, “ninguém pode comentar pois não na é na sua família”, “se é na família tem que ficar quieto pois isso é uma vergonha”…  e por aí vai. Não sei se é só assim onde eu vivia, mas não lembro do assunto ser algo de enfoque nos telejornais em todo o Brasil. Parece que as pessoas ainda tem receio de quando uma mulher se declara feminista ou simplesmente contra a violência (tanto faz com quem). Aqui eu notei que é diferente, as pessoas são mais abertas para debaterem assuntos fortes. Como eu gostaria que ao invés das pessoas darem tanta audiência para os BBBs e novelas da vida, dessem mais tempo para refletir sobre assuntos que merecem mais prioridade.

Para você que está na Alemanha e quer ajudar na causa, o site dispõe materiais de divulgação grátis por encomenda. São adesivos, vídeos, folhas de informações, cartões… fácil e prático.

O que vocês acharam dessa campanha? Tem alguma parecida em sua cidade ou estado? Você acha que uma campanha dessas ajuda em alguma coisa?

Anúncios