Meu amigo, não sou obrigada a nada

Era a noite do desfile de Carnaval na cidade vizinha. Eu particularmente achava que não seria lá grande coisa, no fundo eu previa que aconteceria algo para me deixar meio chateada. Sabem aquela sensação que dá antes de sair de casa avisando que vai dar m*rda no rolê? Pois é.

Coloquei minha fantasia de pirata composta de tapa-olho, chapéu, pistola, luneta e fui. Obviamente também duas calças, duas blusas e jaqueta incrementando o look. Com graus negativos fora de casa eu não consigo andar só de meia-calça e vestido, nem sou maluca o suficiente para isso. Chegando lá encontrei umas amigas e fomos parar em uma daquelas cabanas onde tem música para dançar e muitas pessoas bêbadas fazendo besteira.

Foi chegar e notamos um monte de pessoas com fantasias criativas, tanto que eu acabei apontando para um homem com minha pistola e ele se virou e viu. Se virou e me deu um daqueles sorrisos dignos de derreter corações. Eu juro que não tinha feito aquilo com o propósito de chamar atenção dele, só queria mostrar para minhas amigas que aquele look anos 50 era engraçadinho. Minha amiga logo disse “socorro, me apaixonei” e ele começou a vir na nossa direção.

Eu certa que não era para mim, acabei virando a cara e quando vejo, o tal homem do sorriso lindo estava do meu lado e interessado em conversar comigo. Enfim, ele começou a conversar de um jeito tão querido que foi impossível não ficar com a pulga atrás da orelha com ele. Fomos até o bar, pedimos duas bebidas e ele começou a insistir que pagaria. Contra a vontade dele, paguei o que era meu e ele disse que se eu tivesse um namorado, teria que me acostumar a deixar o homem pagar. Ué, por qual motivo? Com namorado eu não vou ter mais carteira?

Conversa vai e conversa vem, ele acaba perguntando de relacionamentos. Eu disse que não sabia direito o que achava sobre o assunto – vendo o tempo que nunca mais me dei a chance de tentar-. Ele ficou impressionado pela quantidade de anos que eu estou solteira e o fato de ter tido um namorado aos 16, e eu fiquei impressionada por ele levar uma coisa boba dessas como algo importante. Ele, Patricius (Pati) pelo que eu lembro, trabalha para uma grande empresa e passa a noite em hotéis de segunda a quinta-feira devido aos compromissos. Aos 25 tem uma casa, carro, é separado, tem filha de 2 anos e com todo o individualismo presente naquele corpo malhado, não conseguia entender como eu, Bruna, não queria de cara ter nada de sério com ele.

“Como assim tu não quer nada comigo? Eu tenho tudo!!!”

“Hey cara, calma” foi meu argumento, mas isso ele também não gostou de ouvir. Se virou, foi embora e eu só gritei “tu acha que vai conseguir achar a mulher da tua vida com um papo desses no carnaval? Vai te tratar seu maluco!”

Ele disse um “sorry” e mais tarde, quando vi, ele estava fora da festa sentadinho em um canto. Sozinho.

Se ele viesse conversar numa boa e não fosse impor algo para mim, provavelmente poderíamos ter saído em outra oportunidade para nos conhecermos melhor. Mas o que ele queria, na realidade, era uma mulher nova para criar sua filha e não só uma conversa boba/leve típica do carnaval. Não queria alguém para começar uma conversa ou quem sabe um romance, queria alguém que topasse ficar com ele sem nem mesmo querer conhecer ele direito.

Até certo ponto, o comportamento dele foi narcisista, isso sim. Falta aquele desconfiômetro consigo mesmo e começar a exigir menos dos outros. Típico de pessoas bonitas que chegaram ao patamar de ter tudo e que se esquecem de valorizar as pequenas conquistas dos outros. Eu não quero alguém bonito, com dinheiro e fama. Quero alguém que goste de mim, em quem eu possa confiar e respeite que eu não tenho tudo e estou longe disso. 

Me desculpem, mas não preciso ser educada com pessoas que não merecem uma pitada dela. Não preciso aceitar grosserias e comentários machistas de quem não pensa no que fala. Muito menos sou obrigada a me sentir mal por não ter conseguido ficar com uma mordidinha daquele pedaço de mau caminho. Com roupa dos anos 50, nú ou coberto de ouro, não sou obrigada a aceitar quieta comentários do tipo.

Não sou obrigada a nada, muito menos com homem na história.

Tenho dito.

(A imagem destaque é a vestimenta típica de alguém que desfila nas ruas na Alemanha durante o tal do Fasnet/Fasching. Diferente, para não dizer excêntrico.)

Anúncios

7 pensamentos

    1. Ou talvez até aquela velha mania de querer mostrar aos outros que tudo está ótimo e que nada falta na vida perfeita. Pessoas que sempre gostam de mostrar que estão acima de tudo acabam assim mesmo, lá em cima e sozinhos.
      A gente também tem que dar valor a si mesma, mesmo que no fim seja engraçada a reflexão…
      Beijão

      Curtido por 1 pessoa

Mostre-me o que pensas:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s