O que nunca te disseram sobre dor de cabeça e enxaqueca

Enquanto existem pessoas que nunca sentiram dor de cabeça, também tem aquelas (que como eu) tem a tendência de ganhar uma dor forte que faz baixar tanto o rendimento profissional, como também pessoal e escolar. Quando eu falo das dores que eu sinto, vejo que muitas pessoas não entendem as diferenças entre dor de cabeça e enxaqueca e volta e meia vem um comentário que me faz lembrar de tantas coisas que eu aprendi com o passar do tempo e com os diferentes tratamentos e explicações que eu recebi.

“Ah, para com isso! Dor de cabeça só existe uma… não vem querer me explicar a diferença.”

Existem mais de 200 tipos de dor de cabeça, sendo que alguns só aparecem raramente. A maioria das pessoas sofre de dor de cabeça/cefaleia tensional ou enxaqueca. Essas dores de cabeça também estão divididas em dois tipos, a primária e a secundária. Para explicar de forma mais fácil: a primária é quando o motivo aparece do nada e a secundária é quando a dor aparece por causa de outro motivo, por exemplo, sinusite ou algo mais sério. O tratamento então é diferente: enquanto que para a primária é só esperar (ou tomar um remédio) para passar os sintomas, a secundária requer primeiro um tratamento para o problema que causa a dor.

dor-de-cabeca2-el-diver

“Dor de cabeça tensional é frescura…”

Você está trabalhando demais, tem muito com o que se incomodar, pessoas estão te atrapalhando, muito barulho, bagunça,… pum, começa uma dor na cabeça. Ah, acho que isso a maioria conhece. Os que sofrem disso, na maioria das vezes descrevem a dor como um capacete que está apertado demais ou um elástico enrolado na cabeça com alguém puxando cada vez mais firme. Muitos ficam com ânsia de vômito, outros não conseguem ficar em locais claros, outros não conseguem ficar em algum lugar com muito barulho. Isso, portanto, não é algo que dá para generalizar… dor de cabeça não é frescura!

“Enxaqueca é só uma forma mais chique de dizer que você não está com vontade de algo…”

Não, é algo sério. Enxaqueca é um ataque de dor de cabeça que acontece normalmente em uma metade da cabeça, ou do lado direito, ou do esquerdo. A dor que aparece é pulsante e varia de médio para forte, acompanhada de tontura e vômito. Quase 20% das mulheres tem esse problema, enquanto homens varia entre 6-8%. Contra isso ajuda uma alimentação balanceada, sono regular e muita MUITA água!

dor-de-cabeca3-el-diver

“Toma mais remédio e uma hora tu acaba viciada só por causa dessa tua dor de cabeça…”

Os remédios que dá para comprar sem receita médica na farmácia são nesse caso os mais indicados (embora “indicados” também não seja a palavra certa) para não criar o vício. O lado negativo, é que quando mais você toma, mais seu corpo se acostuma com as substâncias e age menos, tanto que o excesso nos medicamentos pode gerar problemas sérios nos rins e fígado. Se você tiver muitas vezes dor, converse com seu médico e peça o que ele acha melhor. Tomar muito remédio não é o caminho…

“Tá ruim, toma remédio. Tá ficando com dor, remédio. Remédio, remédio, remédio. Uma hora tu ainda vomita por causa disso..”

O fato é: tomar remédio com estômago vazio é a maior bola fora que uma pessoa pode dar. Para o seu corpo “aceitar” bem um remédio, primeiramente você tem que tomar ele com água mineral (não suco, nem chá, nem água com gás,…) e ter comido algo antes.

Uma dica minha: anote os dias que você tem dor e o nível da dor segundo sua opinião. No Play Store, por exemplo, tem um monte de apps para te ajudar a monitorar. Na Apple Store deve ter provavelmente vários também.

app-dor-de-cabeca
Eu uso o Libbs e gosto bastante do app

 

Com esse meu mini guia, espero que tenha dado para esclarecer algumas dúvidas e dado uma reflexão bacana caso você pense que “uma dorzinha de cabeça não é nada”! Me conte se você sofre de algo que eu citei acima e como você lida com isso 😀

 

Anúncios

9 pensamentos

  1. Mais uma que sofre de enxaqueca levantando a mão aqui! haha
    Não tenho crises com muita frequência, porém quando tenho é pra tirar o juízo! Em mim dá tontura, enjoos e as vezes incômodos na visão também! E não posso tomar nada com dipirona que me deixa com sintomas de ansiedade. Já viu isso?
    Um saco!
    Xêro, te adoro!!! 🙂

    Curtir

  2. Impressionante como que quem não entende do assunto tem sempre coisas, sem noção, a dizer sobre. Eu tenho enxaqueca e nem sempre passa com remédio. Estou na luta pra encontrar um profissional que me ajude a diagnostica-la e trata-la corretamente, mas enquanto isso, tem um monte de gente por aí cheias de receitinhas mirabolantes pra me passar. Enfim, é complicado tentar explicar pra alguém o que você tem, se nem mesmo você sabe direito por que isso acontece!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eu já tentei vários remédios contra enxaqueca e até hoje não teve um que realmente me ajudou. Eu sofro com isso desde os 14/15 anos e é difícil de lidar, ainda mais sabendo que minhas dores vem de motivos diferentes cada vez. A ideia do registro é ótima e me fez ver que o pior estopim é o stress (o que motiva com mais frequencia). Escutar comentários descrentes de que nunca sentiu é dose mesmo, mas meu post foi uma forma branda e rasa de explicar um assunto tão complexo como esse, até pq um pouco de conhecimento sobre assuntos do tipo são sempre bons de espalhar.
      Te desejo sorte com as tuas dores, que elas desapareçam ou que venham com pouca frequencia!
      Abraço

      Curtir

  3. Eu comecei a ter dores de cabeça recorrentes aos 10 anos. Tenho enxaqueca há não sei quanto tempo e uma listinha de remédios comuns que já não posso tomar porque, por excessos no dia a dia, têm efeito rebote e me provocam mais dor. Atualmente, faço tratamento preventivo que envolve também algumas mudanças de hábito. É chato, mas vale a pena para quem convive com o problema e já não aguenta mais, como eu.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Eu já extraí os sisos, fiz uma placa pra tratamento do bruxismo, exercícios de meditação, tentei uma alimentação balanceada e no fundo ainda não consegui achar algo que ajude realmente no meu caso. Vi que tu estás fazendo uma abstinência de cafeína, é para ajudar nesse sentido?
      Muito obrigada pela colaboração, é sempre uma alegria ver um comentário teu por aqui!
      Beijos

      Curtido por 1 pessoa

      1. É sim, Bruh. O tratamento que comecei há alguns meses envolve parar com analgésicos comuns e os baseados em cafeína e em não ingerir a substância de nenhuma forma. Meu consumo era bastante elevado e a médica considera que não tem como minhas crises de enxaqueca não entenderem a cafeína como um gatilho.
        Seguimos na luta, né!
        Beijo!

        Curtir

Mostre-me o que pensas:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s