Busca

Divergências Vitais

Memórias, dicas e "causos" de uma brasileira vivendo na Alemanha.

Tag

Alemanha

Kuchen, bolo, tarte, cuca ou torta?

Quando me pedem o que eu ando assando aqui na Alemanha, na maioria das vezes eu costumo me atrapalhar na hora de explicar o que eu fiz. Estranho sim, mas vou explicar. Continuar lendo “Kuchen, bolo, tarte, cuca ou torta?”

Oktoberfest 2016

Muitos quando pensam na Alemanha lembram logo de cerveja boa e aquela roupa típica. Hoje, para fazer um post bem clichê, pensei em escrever sobre o que une os dois itens em festa: a Oktoberfest de Munique (München). Continuar lendo “Oktoberfest 2016”

As cegonhas de Ochsenhausen

Alguns anos atrás, apareceram de surpresa um casal de cegonhas na cidade de Ochsenhausen (onde eu trabalho) e construíram um ninho em cima de uma chaminé. Aos poucos, isso se tornou atração… Continuar lendo “As cegonhas de Ochsenhausen”

Uttenweiler

Volta e meia eu penso no que eu vivi nos últimos tempos para refletir no que os fatos interferiram na minha vida. Gosto de pensar em tudo com carinho e deixar as partes ruins para trás. Continuar lendo “Uttenweiler”

Bodensee (Lago da Constança) na meia-estação

Quando me pedem se eu prefiro o verão ou o inverno, sempre acabo dizendo que gosto  da meia-estação. Não faz sentido – eu sei – mas o que se dizer quando não se gosta de nenhum extremo? Continuar lendo “Bodensee (Lago da Constança) na meia-estação”

Um som alemão para te convencer #2

De acordo com a tecla que eu já cliquei várias vezes nesse pequeno blog chamada “música alemã nao é só gente gritando”, eis que vem aí mais motivos para vocês aceitarem que sim, alemão é um idioma bonito de se escutar! Novamente coloquei um pouco da explicação da letra para quem se interessou em saber e nao entendeu nada.

Matthias Schweighöfer – Fliegen

Essa foi uma música que surgiu do nada para o ator Matthias. Ele que está envolvido demais com a profissão de ator e o resto de afazeres, gosta de tirar um tempo para ficar com os filhos. Sua filha sente vergonha de quando ele canta, então para fazer uma homenagem (e quem sabe melhorar sua situação com a filha) ele escreveu a letra. Fliegen significa voar, e na letra ele faz um jogo de palavras bem bacana com alguns verbos. “E se por ti eu precisar voar, a gente consegue isto de alguma forma”. Música de quem faria todo o possível para deixar outra pessoa bem e feliz.

Sarah Connor – Wie schön du bist

Quando vemos alguém que conhecemos verdadeiramente, vemos seus sentimentos, qualidades e defeitos. Nao é? A Sarah entra nessa questão no decorrer da letra. Ela entende que a vida da outra pessoa nao está sendo fácil, mas tenta ajudar dizendo para a outra acreditar em si mesma e na beleza que ela mesma já possui. Nao aquela beleza superficial, mas naquela qualidade que faz a pessoa ser bonita. A letra é linda e a música também… mas eu particularmente prefiro essa versão:

Mark Forster – Bauch und Kopf

Aquele antigo dilema da pessoa que quer algo com o coração, mas a mente nao deixa. No meio dessa situação sem respostas fica essa mesma pessoa sem saber o que fazer. A letra nos diz para nos deixarmos levar pelo que o coração quer nos mostrar, enquanto ainda temos essa chance.

Silbermond – Leichtes Gepäckt

Essa música é um “tapa na cara” de quem é consumista… é uma música para aprendermos a nos contentar com pouco, com o simples, viaja-se bem melhor com uma mala pequena.

O que estão achando (por enquanto) das músicas alemãs? Nas próximas postagens terão mais estilos além de pop e rap, aguardem…

Bis zum nächsten Mal! Até a próxima 😉

Você não está sozinha

Dois meses depois de começar a trabalhar no asilo ganhei uma revista com um conteúdo bem interessante envolvendo o serviço social. Além dele, também uma cartela que chamou mais ainda minha atenção. É uma folha que na parte superior aparece um pequeno texto e na inferior tem quatro adesivos quadrados com um dizer e um número de telefone.

A primeira frase da folha já chama atenção: “Toda terceira mulher é afetada pela violência”. Só de pensar nesse número já dá um embrulho no estômago, mas o pior é pensar que muitas nem entram em contato com um dispositivo de suporte ou polícia. Sob o slogan “Você não está sozinha”, o Bundesamt für Familie und zivilgesellschaftliche Aufgaben (que é o Departamento Federal da Família e dos Deveres Cívicos da Alemanha) criou essa campanha para repassar um ideal de coragem para essas tantas mulheres que preferem ficar no silêncio.

Onde eu acho ajuda? Juntos acharemos respostas. Número de telefone contra violência contra a mulher: 08000 116 016 De confiança - Gratuito - A todo momento
Onde eu acho ajuda? Juntos acharemos respostas. Número de telefone contra violência contra a mulher: 08000 116 016
De confiança – Gratuito – A todo momento

O ideal do adesivo é incentivar as mulheres afetadas pela violência a ligar com confiança para a linha de apoio. Os adesivos (para espelhos e portas de banheiros femininos, carros, janelas, postes, pontos de ônibus) servem para comunicar de forma rápida e diretamente que terão pessoas para te ajudar, não importa como tudo tenha acontecido. Há ajuda e aconselhamento para as mulheres que sofrem abuso ou estão ameaçadas, e uma chamada gratuita no tal número de telefone pode ser um primeiro passo para sair da violência.

O banheiro feminino é apenas um exemplo – de muitos – de um local para as mulheres darem uma “pausa” em caso de se sentirem perseguidas. Em lugares como este é bom estar um adesivo pois com ele a mulher tem logo em mãos as informações de onde pedir ajuda, além de ser um lugar discreto para ficar sozinha e agir.

Achei muito interessante a proposta, é bacana ver que aqui eles se mobilizam e repassam o método de ajuda até para os que estão trabalhando em algo tão simples como o BFD. Vivi 18 anos no Brasil, mas não lembro de nenhum momento ter recebido algo do gênero por meio do correio. Também não vi campanhas no rádio, televisão, ou até pessoas comentando sobre “violência” com a frequencia que o assunto merece.

Parece aquela antiga história de que “se a mulher apanha é porque fez por merecer”, “ninguém pode comentar pois não na é na sua família”, “se é na família tem que ficar quieto pois isso é uma vergonha”…  e por aí vai. Não sei se é só assim onde eu vivia, mas não lembro do assunto ser algo de enfoque nos telejornais em todo o Brasil. Parece que as pessoas ainda tem receio de quando uma mulher se declara feminista ou simplesmente contra a violência (tanto faz com quem). Aqui eu notei que é diferente, as pessoas são mais abertas para debaterem assuntos fortes. Como eu gostaria que ao invés das pessoas darem tanta audiência para os BBBs e novelas da vida, dessem mais tempo para refletir sobre assuntos que merecem mais prioridade.

Para você que está na Alemanha e quer ajudar na causa, o site dispõe materiais de divulgação grátis por encomenda. São adesivos, vídeos, folhas de informações, cartões… fácil e prático.

O que vocês acharam dessa campanha? Tem alguma parecida em sua cidade ou estado? Você acha que uma campanha dessas ajuda em alguma coisa?

Uma resposta errada é também uma resposta

Significado de Correto:

Desprovido de erro ou defeito; que se encontra em conformidade com as regras; certo.
Que se adequa às regras ou normas; perfeito.
Em que há ou expressa exatidão: valor correto.
Diz-se da pessoa que tem dignidade e honra; honrado ou íntegro.

Queremos ser melhores, mais bonitos, mais humanos, mais caridosos, mais luxuosos, mais CORRETOS… uma verdadeira obra prima. Mas por qual motivo?

Todos tem defeitos. Se fossemos perfeitos não precisaríamos de opiniões alheias e muito menos de outras pessoas. Viveríamos isolados no nosso mundinho individualista, para quê precisaríamos de outra opinião? Seríamos narcisistas. Não iríamos querer mostrar nada a alguém, viveríamos nossa vida idílica, não é?

Mas como seres imperfeitos estamos suscetíveis a erros, a respostas confusas, perguntas irrelevantes, had hair days ou até mesmo crises pessoais. Ninguém nasce sabendo de tudo…

Foi com essa linha de raciocínio que o professor começou o seminário no dia 19.10.15. Como uma pessoa imperfeita e pronta para nos mostrar que todos nós temos muito a aprender em todos os sentidos. Que não devíamos rir perante a dificuldade dos outros, pois cada um também tem seus próprios pontos fracos.

Uma semana proveitosa para ver o quanto eu me engano sobre meus limites as vezes, acredito menos em mim do que deveria. Ah, e me valorizo pouco demais… ver comentários como os que surgiram na postagem anterior me fazem ver o quanto eu sou abençoada por ter a presença de cada leitor (a) na minha vida. Vocês são mais que leitores, já estão presentes no meu coração com um lugarzinho especial!!

Dankeschön! ❤

E sobre o outono dessa ano, uma pequena amostra:

 outonodivergenciasvitais (2) outonodivergenciasvitais (4) outonodivergenciasvitais (7) outonodivergenciasvitais (10) outonodivergenciasvitais (14) outonodivergenciasvitais (15)

Auf Wiedersehen!

Mais uma dose de incompreensão

Há umas semanas eu frequentei um seminário em uma cidadezinha em Bayern. O seminário fazia parte do meu tipo de emprego, sendo que lá se encontravam cerca de 80 alunos e todos tinham que ir a aulas e fazer projetos. Todos eles estão trabalhando na mesma coisa que eu, porém em outras áreas. Ok, até aí tudo certo. O problema acontece em outra situação… imaginem somente uma estrangeira no meio de vários adolescentes alemães. Todos com uma mentalidade diferente e intolerantes ao fato de eu ter vindo de um país diferente e não saber me comunicar como eles…

Eu achei que já tinha passado dessa fase, mas pelo visto estou bem presa a ela ainda.

A professora muitas vezes passava minha vez na hora de eu dar minha opinião sobre algo, dizia claramente que eu não precisava fazer a mesma coisa que meus colegas, mal e mal prestava atenção quando eu perguntava algo… e os colegas continuavam com isso, achando que estava realmente certo o que a professora dizia. É claro que todos os assuntos tratados foram de bom proveito para mim, mas vivenciar isso me vez ver o quanto inferior eu ainda sou, apesar de todos meus esforços.

É difícil me enturmar? Sim, mas eu tento. É difícil a gramática alemã? Sim, mas eu tento. Eu estou tentando de todas as formas, porém quanto mais parece que eu dando um passo a frente, vejo que estou três passos atrás do que eu achava.

Chegou um momento no seminário que eu estava no meio da sala e tive que falar “eu sou brasileira, é lógico que eu não tenha tanto conhecimento do idioma alemão como alguém que estudou durante mais que 10 anos na escola o idioma…”, e ao invés de tentarem me aceitar, continuaram me tratando igual.

Nessas horas que eu realmente não sei como lidar. Não sei o propósito dessa postagem, mas precisava colocar para fora essa indignação… Essa segunda começa mais uma semana de seminário e eu precisarei de muita paciência caso ninguém ter compreendido que nem sempre na vida tudo é tão “fácil” como falar alemão.

“Ex” frio de inverno

Oficialmente estamos no Outono aqui na Alemanha. Já disse em outra oportunidade e repito: é a minha estação favorita! No ano passado a temperatura não foi tão cruel como nesse verão, então de se imaginar, a paisagem estava totalmente diferente. Este ano o sol calejou demais as plantações, matas, gramados e qualquer que seja a planta que vive por aqui. Quando eu estava aterrizando em München (Munique) estranhei demais por ver tudo amarelo, alaranjado e com cara de morto.

Foi nessa situação que eu imaginei o inverno. Se o verão foi aos extremos, o que será que virá daqui alguns meses?

Pensando nisso que eu criei esse “flashback”, só para relembrar a todos como eu me senti quando o frio era predominante e a minha vontade de ver a neve ir embora era absoluta (depois da segunda semana).

inverno-divergenciasvitais1 inverno-divergenciasvitais2 inverno-divergenciasvitais6 DSCN0132 inverno-divergenciasvitais5 inverno-divergenciasvitais4 inverno-divergenciasvitais3

Por fim, uma frase que veio na minha cabeça enquanto eu tirava as fotos. Ficou martelando tanto na minha cabeça até que eu me forcei e transcrevi num papel:

“Esses montes de neve são como meus sonhos, esperando ondas de calor para fazer tudo se transformar”.

Gostaram da paisagem? O que acharam do inverno de Aderzhofen?

Auf Wiedersehen!

Um som alemão para te convencer #1

Quando falam em música alemã, geralmente só lembram de Rammstein, músicas de Oktoberfest e alguém cantando como se estivesse assoando o nariz… Mas não, tem muita coisa gostosa de se escutar no idioma. Pensando exatamente nisso, fiz uma lista de músicas que tocam bastante aqui e que tem uma tradução bem bacana para todos se encantarem. Como as traduções nos sites sempre são ruins, vou dar uma breve explicação do que a música se trata.

Tim Bendzko – Wenn Worte meine Sprache wären

Tim Bedzko é um amor cantando, gosto muito dele. Na letra existe alguém apaixonado que diz os motivos desse amor e o que faz querer sempre ficar perto da pessoa escolhida. O problema é que ele não acha as palavras certas para dizer o que sente… ah se seu “idioma fossem as palavras”. O bacana é que ele brinca com essa questão, dizendo que seria mais fácil colocar os sentimentos em uma música, do que explicar cara-a-cara. Canção boa para amores platônicos.

Andreas Bourani – Auf Anderen Wegen

Eu gosto muito dessa música! Fala sobre um casal que perdeu o compasso, corações que não batem mais no mesmo ritmo. Como se sozinhos eles fossem melhores, mesmo se amando.

Tim Bendzko feat. Cassandra Steen – Unter die Haut

Tim Benzko de novo? Sim. Essa música fala sobre a conexão de um casal e o fato de eles sentirem como se tudo estivesse sob a pele, o sentimento fosse algo tão diferente que ambos continuam juntos e seguindo em frente.

Revolverheld feat. Marta Jandová – Halt Dich an mir fest

Segure-se forte em mim, quando a sua vida se despedaçar.
Segure-se forte em mim, quando você não souber nada mais
Eu não te deixarei partir.
Segure-se forte em mim, porque isso é tudo o que fica.

Isso é só a tradução do refrão, apaixonante é uma gotinha de toda a chuva que é essa letra. É uma música linda do começo ao fim…

Eu sei que tenho estado bastante ausente, mas espero que tenham gostado de algumas das minhas indicações. Talvez um dia eu consiga convencer que o idioma alemão é sim agradável aos ouvidos… enquanto esse dia nao chega eu continuo com minhas tentativas. Abraços e bis bald!

Emprego novo, rotina nova na Alemanha

“Nossa Bruna, pra que trocar um emprego de babá de crianças para fazer serviço social com idosos???”

Pensei mais de 500 vezes o que responder cada vez que alguém me falava isso com ar de repreensão, mas nenhuma resposta seria a altura de tudo o que eu venho vendo nessa 1 semana que eu comecei no emprego novo. Antes, eu pensava que ano social seria só uma forma de arranjar mais um ano de visto aqui na Alemanha, mas agora que eu estou convivendo com o que e é isso minha opinião mudou muito.

É fácil cuidar de uma criança quando ela é pequena, carinhosa, educada, não mimada. É complicado cuidar de uma criança sem limites, que acha que está certa sobre coisas que nem sabe direito. Mas e agora adultos que já viveram todas as poucas e boas da vida?

Muitos já disseram que não conseguiriam fazer isso, mas eu com orgulho falo que essa é uma das experiências mais gratificantes para mim. Cada dia você vê mais o quanto o ser humano é incrível, o quanto coisas pequenas trazem.

Nunca, mas nunca digam que uma pessoa de idade é apenas um velho. Nunca digam que demência, falta de controle e problemas motores são “zueira”.

Por enquanto é só. Talvez com o tempo eu escreva mais sobre o que eu vejo diariamente, mas é difícil escrever sobre o assunto sem eu mesma me emocionar…

Por último: um dos pontos turísticos da cidade onde eu estou trabalhando, Ochsenhausen.

http://www.ochsenhausen.de/

Até mais!

Retorno à Alemanha e “causos” da viagem

Depois de semanas de despedidas eis que chegou o grande dia de viajar. Não posso dizer que não houve choro, pois teve e teve mais do que deveria. Foram momentos difíceis, quem ama e tem que partir sabe bem como é… você nunca sabe se essa despedida poderá ter uma próxima vez.

Meu primo e minha tia me levaram ao aeroporto e com isso fizeram da despedida algo mais fácil, fora me tirar a ansiedade de estar no Terminal 2 do Aeroporto Salgado Filho de Porto Alegre sem fazer ideia alguma do que fazer primeiro. O atendente do check-in foi um querido e me ajudou em tudo, foi bonito ser recebida logo com educação e respeito as 7:00 da manhã.

Antes da porta de embarque se abrir conheci o Excelentíssimo Senhor Paulo Machadoprefeito do município de Butiá/RS e novamente pude ter uma conversa bem interessante com alguém que concorda com vários pontos de vista sobre educação e futuro dos jovens no estado. Deu para entender bem a situação de ter poder, mas não conseguir colocar os planos em prática por falta de dinheiro e aprovação de projetos.

Chegando no aeroporto de Guarulhos/São Paulo tive que esforçar para não ficar perdida ou procurando o gate correto no terminal errado. Por sorte, deu novamente tudo certo. Deu tão certo que até uma mulher extremamente gentil sentou ao meu lado no voo longo que teríamos e pudemos ter vários momentos de conversa boa e sadia sobre assuntos bem variados. Eu que queria dormir, acabei lendo praticamente o percurso inteiro. Cheguei em Madrid somente pensando em o que a polícia poderia encrencar meu caso, mesmo tendo tudo certo… E foi tranquilíssimo, tanto que pude esperar bastante para o embarque. Mas foi divertido… os vendedores da livraria Saraiva são uns amores de tao engraçados.

E em Madrid que aconteceu algo que eu achava que só acontecia em filmes: eu entrei no ônibus do translado do aeroporto ao avião e alguns metros na minha frente estava parado um homem com a aparência de deus grego da mitologia (ou até um anjo), com um jeito “I’m sexy and I know it”, olhos verdes, dentes brancos e mordida prefeita… Tudo nele ressaltava beleza, fazia tempo que eu não via um homem tão lindo. Logo pensei no que ele poderia conversar se o acaso ele sentasse do meu lado no avião. E ao entrar, quem será que ocupou o assento ao lado??

Sim, ele.

Mas como nem tudo nessa vida pode ser perfeito, além de ser grosso com o comissário de bordo ainda fedia a suor. Detalhe: eram 6:00 da manhã!! Nem eu conseguia acreditar em como isso poderia ser real… Sabem aquele antigo provérbio de “Por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento”? Bem isto!

E a melhor coisa de sair do avião em Munique (além de perceber que deu tudo certo) foi ver minha mãe me esperando ansiosa, tentando conter o choro. Foram apenas dois meses, mas a perspectiva de morarmos juntas novamente causou ansiedade em ambas as partes. Tem como não amar??

E é com a seguinte frase que eu me despeço, apenas avisando que volte bem, saudável, feliz, amada e pronta pra mais outra! Sem neuras por amizades que nada acrescentam, orgulhosa por estar correndo atrás do destino.

Não há como ganharmos o mundo sem perder um pouco do nosso mundinho.

Ja, und lasse deine Träume fliegen! Deixe seus sonhos voarem

Schloss Lichtenstein, o “Castelo do Conto de Fadas”

Baden-Württemberg é um estado bem interessante quando for usado como base para destinos turísticos. Entre as várias montanhas situadas no Alpes Suábios (Schwäbische Alb), você se perde no meio de tamanha beleza. Nesse caso não poderia ser diferente…Depois de pesquisar sobre o assunto e ter feito o tour guiado nesse castelo, acabei separando um pouquinho da história desse lugar tão peculiar.

DSC_8106

Achei aqui: https://goo.gl/htoVqo

Era uma vez alguns Cavaleiros com suas famílias. Eles vivam em pleno século XVII e resolveram construir um castelo acima de Honau, uma pequena comunidade, dando o nome de “Altes Lichtenstein”. Durante a Guerra do Império (Reichskrieg) e as brigas entre cidades (a ira maior provinha de Reutlingen)o castelo acabou sendo destruindo duas vezes, na segunda vez não foi reconstruído. Em vez disso, o reino (não sei se minha tradução está correta) de Württemberg o reconstruiu não no mesmo local, mas longe o suficiente para ir caminhando em 15 minutos e pasmem: em pleno penhasco. O que construíram era para ser um castelo reforçado e resistente o suficiente para não ruir rápido como os anteriores, sendo que acabou se tornando o mais fortificado da Idade Média.

Em 1802 foi construído um “salão de caça” ao lado do castelo. Em 1837, Wilhelm Graf von Württemberg ganhou a propriedade de seu primo (Rei) König Wilhelm von Württemberg e inspirado no romance “Lichtenstein” de Wilhelm Hauff, usou os conhecimentos de arquitetura de Carl Alexander Heideloff e reformou o castelo no estilo da Idade Média. Construiu mais um andar, arrumou o pátio, fez uma muralha… Até um pintor famoso (Eberlein aus Nürnberg) ele trouxe para embelezar os interiores. Com muitos elogios por causa da reforma maravilhosa, em 1842 a obra foi inaugurada com a presença do Rei.

Indico o tour guiado para todos os que tiverem conhecimento de alemão, os guias falam rápido demais e a opção em inglês é só possível se agendada ou quando tem um grupo grande querendo tour no idioma. Apesar de não ter tanto luxo como outros castelos, esse é possível encontrar algo curioso e que merece atenção em cada canto. Como exemplo eu trago a imagem que fica logo na entrada e perto das escadas:

Não importa se você olhar de outro ângulo, o homem sempre estará apontando a arma para você!

blick-aus-lichtenstein2 DSCN1315 blick-aus-lichtenstein5 blick-aus-lichtenstein3

Informações

Texto: Tirei a história do link a seguir, se eu escrevi um dado errado foi pois o texto está em alemão e eu ainda sou leiga nisso:

http://www.schloss-lichtenstein.de/index.php/de/geschichte-familie/geschichte

Horário de abertura: Em janeiro e dezembro fica totalmente fechado. Em fevereiro, março e novembro fica fechado em dias de semana (segunda a sexta). Tirando estas exceções, o horário é das 9 até 18h, podendo variar de acordo com o mês.

Como chegar: Indico o site do Deutsche Bahn no caso de viagens de trem, de lá fica fácil planejar como fazer e o tempo de duração da viagem. Se você for de carro, lá há um bom estacionamento a 150m do castelo para deixar seu carro na sombra. Tem banheiros também (bem limpos, pelo que eu vi).

Animais de estimação: Cachorros são aceitos no pátio somente com coleiras (ou no colo do dono).

Sapatos: Indicado pelo próprio castelo sapatos confortáveis, saltos altos e pontiagudos podem danificar o chão. Bom senso é a chave!

Para ver o pátio:
Adultos: 2 €
Crianças: 1 €

Tour guiado:
Duração: cerca de 30 minutos
Crianças: 3,50 €
Adultos: 7 €
Ingresso com desconto: 6 € (Aposentados, deficientes, Au-Pairs, estudantes e soldados)
Grupos com mais de 20 pessoas: 6 € por pessoa

Gostaram deste Castelo? Em breve terão mais postagens assim! Até!

badge_post_01

Bauernhaus-Museum Wolfegg

Meus tios vieram nos visitar no período que eu havia acabado de entrar de férias na Alemanha. Eu entrei de férias no dia 20.05 e eles vieram dia 21.05, sendo que na mesma noite fomos convidados a conhecer um museu alguns dias depois. A cidade onde fica o Museu fica longe de onde morávamos, porém como faríamos uma viagem e passaríamos do mesmo na frente, resolvemos confirmar. É lindo e muito interessante o lugar…

O Museu nos dá uma noção do que agricultores, empregadas domésticas, serventes e artesãos das pequenas cidades faziam na região da Alta Suábia (Oberschwabens) e do oeste de Allgäu (Westallgäus). Seguindo a trilha do Museu temos a oportunidade de aprender coisas surpreendentes sobre as pessoas e os objetos que eram usados na época, além das condições de vida e trabalho há séculos.

Mapa das trilhas

A trilha apresenta uma volta no tempo através de 300 anos de história, são 15 construções históricas em cerca de 10 Hectares. As antigas construções foram implementadas como uma testemunha única de tempos passados no museu, quando já não podiam ser recebidos em seu local original.

12
Podem achar estranho, mas assim é a divisão de muitas camas na Alemanha. Cada pessoa tem o seu colchão, o seu lençol e a sua coberta. Esse costume permanece até hoje…

1 5 6

Amigos nossos fariam parte de uma atração: eles estariam mostrando a criação do linho a partir de fibras de uma planta. Na construção onde estão as máquinas é possível ver a quebra da planta, a limpeza e a maneira como eles transformavam os fios em linha. Essa linha era levada para um tear e com ela eram feitos os tecidos de qualidade para roupas, toalhas de mesa, lençóis, cortinas… É impressionante o tempo que as pessoas demoravam para produzir um novelo de linho: a pessoa poderia demorar um dia inteiro para enrolar somente um! De novo, um dia inteiro para um novelo. Havia também um treinador de cães fazendo uma demonstração com o seu cão e ovelhas, máquinas de moer milho, artesanato…

41110

3 DSCN0980 DSCN0991DSCN1005

DSCN0935 DSCN0936

Informações úteis:

O endereço do Museu é:

Bauernhaus-Museum Wolfegg
Vogter Straße 4
88364 Wolfegg

Telefone: 07527/ 9550-0
Fax: 07527/ 9550-10
E-Mail: info@bauernhaus-museum.de

A temporada de abertura de 2015 é de 22 de março até dia 08 de novembro. De maio até setembro é aberto diariamente de 10 até as 18 horas. Em março, abril, outubro e novembro é aberto de terça a domingo das 10 até as 17 horas, segundas fica fechado.

Quem quiser ir com cachorros é totalmente aceito, desde que o mesmo venha com coleira.

E o que vocês acharam do lugar?

Voltei? Voltei.

Depois de minha dose de despedidas, queria só avisar que cheguei super bem aqui no Rio Grande do Sul. Meus voos foram tranquilos e apesar de eu estar um pouquinho raivosa ainda com a TAP Portugal (meus 2 voos com eles tiveram problemas técnicos), foi ótimo voltar. Quando cheguei em casa meus avós queridos nem queriam me soltar de tão felizes que estavam com minha presença.

Sei que me mantive alheia a postagens muito elaboradas estes últimos tempos e é aqui que eu quero mostrar um pouco do que aconteceu comigo no tempo que estive um pouquinho longe.

No dia 20.05.15 eu terminei meu ano Au-Pair e meus tios vieram visitar minha família (eu, minha mãe e meu padrasto) na Alemanha no dia seguinte. Minha mãe estava uma pilha de nervos nos dias anteriores pois não sabia se o pessoal gostaria desse país tanto quanto nós e muito menos se conseguiriam se sentir em casa numa casa tão diferente como é a nossa. No fim, tudo deu certo, foram férias ótimas.

Foram dias com programações intermináveis. Era encontro aqui, comprinhas ali, viagem de trem em tal dia, trip de carro no outro… Todos os dias acordávamos cedinho, nos arrumávamos e íamos, mas só voltávamos quando estava começando a escurecer. Nossa rotina era tão cheia que as vezes nem sobrava tempo para dormir… Em compensação, conseguimos deixar meus tios completamente apaixonados pela Alemanha e minha mãe com um sorriso estampado no rosto.

Aqui só queria deixar um pouco do que eu ainda irei explicar com mais calma com o tempo, uma amostrinha dos lugares que conhecemos…

DSCN1181
Teve subida até uma montanha com 2.224m de altura…

11150480_757281197723933_7416188300452050014_n
E mais tour em outro Castelo!

E para início de conversa, era isso!

Período de despedidas

Algumas semanas atrás teve um dia que fez valer o nome do blog. Minha vida divergiu mais uma vez e com isso eu senti que aqui deveria ser diferente também. Dia 20.05.15 passei de uma fase para outra e foi uma troca muito grande para mim e pelo blog. Naquela quarta-feira eu acabei com meu ano Au-Pair e tive que me despedir de todas as pessoas que eu aprendi a gostar.

Um Ano Au-Pair dura normalmente 12 meses aqui na Alemanha, mas como tive problemas em trocar a data da minha passagem aérea (eu teria que pagar 200€ a mais para ter que trabalhar mais 2 meses), decidi voltar com 2 meses de antecedência ao Brasil. Convenhamos, foi o mais sensato…

Quando cheguei nos 9 meses com a família, estabelecemos que minhas férias ficariam para o final do meu período aqui, não seria tão complicado para as crianças entenderem que eu estaria indo. E assim foi feito. Dia 20.05 deixei de trabalhar para ter minhas merecidas férias. Foram tempos difíceis em algumas ocasiões, mas saí de lá com a sensação de dever cumprido.

Chegando aqui em Erlenmoos, vi que o meu celular estava apitando com várias notificações do app do WordPress e vi que teria que inaugurar uma nova fase no blog também.

Adorava o antigo layout, mas decidi trocar por algo mais sério e com perspectiva. Aqui a qualidade das imagens fica bem mais ressaltada, fora que o foco fica para os textos e não para toda outra forma de publicidade a favor do blog. Concordo que todo blog para vingar precisa chamar muita atenção, mas eu não me sinto a vontade me expondo tanto assim. Quem quiser dar uma olhada no que acontece com o Diver por fora do WordPress, ele tem página no Facebook e um perfil no Google+ até.

Na página inicial está tudo dividido por imagens. Na hora de ler dá para até fazer “uni duni tê” de tantas opções de textos. Bom, acho que todo mundo que passou por aqui nesse tempo reparou nisso. Gostou? Pode curtir. Quer comentar? Será muito bem aceito…

Mas continuando…

Meu último fim de semana em Aderzhofen (onde eu vivi este tempo todo) teve todo um clima de despedida. Tudo parecia colaborar para um tchau, tanto que na quarta-feira o tempo estava tão feio no Heilige Berg Oberschwabens (Bussen) que até parecia que o céu chorava com minha despedida.

Quando vim para a cidade, estava sem nenhuma câmera para tirar fotos e deixar aqui exposto. Agora que tive que ir embora, aqui está um pouco do que eu via diariamente…

2 31

6

E agora, que venha o Brasil!

Novamente Ulm

Quando vejo que existem blogueiras que conseguem ser pontuais na hora de escrever sobre o que fizeram no fim de semana, vejo o porque de meu blog continuar na mesma: eu sou preguiçosa para escrever sobre tudo no momento. Não que haja mal nisso, mas hoje quero comentar de novo sobre uma cidade que eu já escrevi sobre no Diário de Bordo faz muito tempo atrás: Ulm.

Eu e minha amiga Ana fomos na festa de despedida da Luana, outra Au-Pair que era nossa companheira de Ausflug (viagem) no dia 09.05.15. A ficha de que estamos no fim do nosso percurso Au-Pair começa a cair quando vemos nossos amigos se despedirem… É quase cruel pensar que a vida nos juntou dessa forma e nos separará deste jeito. Talvez nos reencontremos, mas talvez nunca mais conseguiremos contato… A festa estava linda, cheia de guloseimas, mas o coração doeu na despedida.

Na volta da cidade onde a Lu morava, acabamos parando por Ulm, a cidade que eu comentei acima.

Justamente naquele final de semana havia uma greve no sistema ferroviário aqui na Alemanha. Demoramos horas até chegarmos no nosso ziel (destino) e a volta foi outra catástrofe. Em Ulm, optamos por deixar nossas mochilas na estação, naqueles tais armários com chave. O valor aumentou, de 2€ passou para 3€, em compensação o tamanho continua enorme. Saindo da estação, acabamos parando em uma dessas padarias que tinham lá perto. Quando olhamos o que estava exposto, o estômago bateu mais forte: foi fome/amor a primeira vista.

DSCN0767DSCN0766

Se existe um momento que eu não gosto de fotografar é quando a comida está na minha frente, mas desta vez não resisti… Estava lindo e com um sabor delicioso. Chegando no Innenstadt (centro) de Ulm, escutamos uma música que parecia vinda dos céus… Tinha um homem tocando harpa no meio da multidão. Sim, harpa!!

Depois de tocar músicas divinas, eis que veio a surpresa: até a música de abertura do Game of Thrones ele tocou… Me senti em outra época, músicas com tema medieval ecoavam pelas ruelas. Depois da nossa pausa em uma praça para comer, seguimos em direção da Igreja mais alta do mundo, Ulmer Münster.

DSCN0762Ela tem 161 metros e 53 centímetros de altura e cansativos 768 degraus que você poderá subir se quiser. Eu já havia subido, como vocês devem ter visto no link do Diário de Bordo que eu deixei disponível acima, mas como a Ana nao havia subido, fui junto novamente.

DSCN0782

Para quem estava moída de tanto cansaço de andar de trem, subir até no topo foi quase um martírio, mas claro que valeu a pena. A Ana olhava maravilhada pra baixo e fez fotos de tudo, até que uma hora eu virei a boba da história. Na primeira vez que eu subi, fiz a famosa marginalidade de assinar meu nome no tampão do sino. Quando chegamos naquela parte, não é que eu encontrei meu nome de novo? Depois de quase 4 anos, ainda estava lá!

DSCN0798
Hey o lerei pra quem encontrar!

Subimos o máximo que conseguimos e quando chegamos lá em cima estava tão cheio que tivemos que descer. Ulm é Ulm, cada vez que vou para lá é outra emoção…

Informações úteis:

A entrada na Igreja é gratuita, porém para subir os 768 degraus você terá que comprar o ticket. Os valores são os seguintes:

Crianças até 7 anos: gratuito
Jovens até 17/estudantes: 3,50€
Adultos: 5,00

Quando o grupo for de mais que 10 pessoas, há um desconto de 0,50€ por ingresso. A regra de ser Au-Pair é válida aqui também, sempre apresente seu Ausweis (carteira de identidade alemã) quando for em um lugar histórico ou cultural.

Localização:

Unbenannt

Horários:

Janeiro e Fevereiro: 9:00 – 15:45
Março: 9:00 – 16:45
Abril, Maio e Junho: 9:00 – 17:45
Julho e Agosto: 9:00 – 18:45
Setembro: 9:00 – 17:45
Outubro: 9:00 – 16:45
Novembro e Dezembro: 9:00 – 15:45

No caso de gelo e neve em excesso só é permitida a subida até 70 metros.

http://www.ulmer-muenster.de/

DSCN0809

Até a próxima!

Site hospedado por WordPress.com.

Acima ↑